CONTADOR DE VISITAS




Google+ Followers

Seguidores

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Sentimento nomeado amor



Hoje eu não quero a paixão

Que vinca os lençóis

Que umedece a pele

Não quero a luz pretensiosa dos faróis

Quero luz de abajur

Alguma penumbra

A suavidade da respiração profunda

Não quero o beijo abrasado

Que ruboriza a face

E acelera o toque

Quero a placidez do olhar contemplativo

A serenidade do fogo amortecido

Necessito do que faz pouco ruído

Quero o sentimento nomeado amor

Que se edifica no tempo com labor

Como o vinho esquecido na adega

Do qual se extrai o melhor sabor

Não quero da paixão

O encantamento passageiro

Quero o sentimento verdadeiro

Já não traspasso ondas encrespadas

Prefiro a estabilidade das quedas d'água

O sentimento que percorre praias mansas

Não faz alarde

É fonte serena

Pouco arde

É doação e renúncia

Cumplicidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário